Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sonambulismo

Poderia deitar-me
Deixar-me ao sono
E ao despertar
Absolutamente tudo
Seria igual
Dentro de suas diferenças

E neste sono
Seria apenas um homem
De olhos cerrados
Oferecendo poesia
Ao mosquito que me drena
Um pouco de sangue

Não me canso de ti
Detive-me
No verso que te perdi

Sozinho até na multidão

Tuas palavras foram boas
Vieram da felicidade tua
Julgou-me , calculou-me ,
Hipóteses , fatos ,
E uma preocupação moribunda
Que valor teria para mim
A tua nobreza Cintura da Onça ?
Determinação acústica
Rústica terminação
Seguirei da maneira
Mais elástica que puder

O elástico antes de estourar
É borracha
Achas algo ?
De uma seringa
E o mundo inteiro é uma aplicação
Mas há peles
De Acressauros Látex
Que não se penetram
Assim como as mãos de um seringueiro

Guerreiro   V da árvore
Chico       V Mendes
Chico       V Mendes
Chico       V Mendes
Chico       V Mendes
Chico       V Mendes

Afinal sabemos nós
Que um neomilenar
Não tranca seus versos em uma gaveta
Senhor de Melo Neto
Uma questão de liberdade...

Te agradeço por um pouco !

E minha vida é Severrima
Severíssima Severina
Sereníssima que deixei pra trás
Ás da matemática
Assim entendo e domino
Senos e co-senos
É hora do perâmbulo
De algum ângulo sem grau
O sonâmbulo normal


Ritual
Enviado por Ritual em 07/11/2006
Código do texto: T285153
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ritual
São Paulo - São Paulo - Brasil
92 textos (2222 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 19:31)
Ritual