Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LAVAR A CIDADE**

Eu tenho água pra lavar a cidade
e muita mágoa pra fazer o enxágüe.
Tenho vento suficiente pra varrer o mundo,
sacudir as árvores e destelhar as casas.

Eu tenho dor, eu tenho calo, eu tenho o pé inchado
de tanto correr atrás de estrago pra adiantar o lado.
Eu faço samba, eu danço e canto sem ser o cantor.
Eu cumpro a sina e descreio do destino. Sou desatino.

Eu ando no meio fio, eu teço a rede e pesco o peixe.
Eu faço o feixe e eu mesmo o quebro.
Eu me arreio e me cavalgo. Sou notívago e acordo cedo.

Eu colho o que não plantei e esqueço o que teci.
Assim vou levando o fardo, rompendo cerca.
Eu sou o arco e o alvo, da cidade a dor.
Do chão em que fui plantado parti.
Eu sou daqui, mas estou chegando agora.


cp-araujo@uol.com.br
Célio Pires de Araujo
Enviado por Célio Pires de Araujo em 12/07/2005
Reeditado em 21/10/2006
Código do texto: T33469

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Célio Pires de Araujo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Célio Pires de Araujo
São Paulo - São Paulo - Brasil
1075 textos (32931 leituras)
2 e-livros (236 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 12:22)