Capa
Cadastro
Textos
Įudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Na casa de doido

Nesta só doideira
Doideira pra lá pra cá.
Doideira tanta loucura
Doideira e coisa maluca
O café vai prepara no
lugar de açucar coloca
sal do pó coloca fubá.

Depois do café já pronto
as fruta vai prepara, das
banana miolo joga fora
do jambre as cascas vão
pra lavagem pro porco de
três pés engordar.

O café já tá no pronto, os camaradas
ela vai chamar, chamou
o cachorro mais velho a velha
sarnenta que tem ferida em
todo lugar por falta de tomar
banho.  Depois chama a
a sobrinhada em berros a
gritar.  Doideira esta
sempre certo se esta
mijado danada diz estar
a suar.

Doideira é coisa eloquente
trabalha feito acabar,
agora é hora do almoço
a gororoba vai preparar.
Assim como no café
veja só esse bagua.
O arroz todo sem sal
nem deu tempo de cozinhar.
O porco cozinha vivo o
frango sem tripa tirar
o feijão esse é o forte,
muita pedra muito duro
em vez de poder comer
danado pode plantar.

Depois da comeria,
sobremesa vai arrumar
Desta vez quando
apronta a mesa, serve abelha
viva e diz na digestão
vai ajudar.

Ainda falta bastante pro
dia terminar agora já vai dar
2 horas no curral lá vai
ela ajudar, as vacas corre
pro canto o boi começa a
mijar Tõe saco seu vaqueiro
e marido da perna direita esta a mancar
seu braço esquerdo já foi
cortado por conta de uma
cobra que doideira o fez pegar
de um olho o Tõe tá cego do
outro só pra enganar seu
cerebro só a metade a
funcionar doideira dona
malvada o resto do cara
quer sugar.

Agora já são 15 prá cinco
O jantar vai preparar da horta
ela traz verduras todas muchas
e sem lavar no galinheiro pegar
ovos chocos pro omelete preparar
isso por que arroz tá pronto
já faz três dias está a juntar.
Junta tudo numa panela
cinco minutos a cozinhar isso tudo
numa panela suja diz que não
teve tempo de lavar.

E ai todos comeram
O sol acabou de entrar, doideira
já coloca todos pra deitar
todos ela trata com seu
carinho que só ela tem daqueles por lá
no mais novo ela faz
carinho com a precata de arrastar,
até o danadinho dismaia
no do meio dar umas varadas
com galho de rosa espinhento
pra danar.  E o mais velho com
tisão de fogo na cabeça e o tira
gosto prá começar, o Tõe Saco
já cuchilando os pés ainda não
foi lavar.  Doideira o pega de
porrada mais uma costela fez
quebrar.

Isso é apenas um dia da
família de Ana doideira
mesmo sendo tudo isso nas
festinhas e algazara daquele
pequeno arraial se é festa sem
ela não começa até mesmo
morte sem sua presença não
segue o funeral, mesmo sendo
afoita ama chora e tem dor,
a sua maneira se procurar
meiguice irão encontrar.
CAMBRAIA JJOĆO
Enviado por CAMBRAIA JJOĆO em 26/09/2007
Código do texto: T669302
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CAMBRAIA JJOĆO
Lagoa da Prata - Minas Gerais - Brasil, 57 anos
455 textos (29552 leituras)
(estatķsticas atualizadas diariamente - śltima atualizaēćo em 19/10/17 01:46)
CAMBRAIA JJOĆO