Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SER COMO O VENTO

                   
         
 Quero ser como o vento que por tudo passa, preenchendo espaços, acalentando a vida e também a morte, em qualquer lugar e ninguém o vê.

 Quero ser como o vento de sutil leveza, que encrespa as ondas e enverga os álamos que carrega as águas e ninguém o vê.

 Quero ser como o vento que apaga a vela, que atiça o fogo, que levanta a terra, erodindo tudo e ninguém o vê.

 Quero ser como o vento, sutil como a alma, suave como um carinho e rude como o tornado que destrói as casas que protege o homem, perpassando tudo e ninguém o vê.

 Quero ser como o vento, igual leve brisa, carregando o frio, penetrando fundo nas escuras locas, derrubando as ocas em qualquer lugar e ninguém o vê.

 Quero ser como o vento que transporta a vida e também a morte, através do aroma ou do odor forte, penetrando em tudo e ninguém o vê.

Quero ser como o vento, o primeiro alento, imprimindo a vida na transformação, preenchendo os órgãos da respiração; todo o mundo sente, mas ninguém o vê.

Enfim, este modo de ser sutil, suave, voraz e rude, invisível, presente em tudo, sob todas as formas em qualquer lugar; assim, quero ser como o vento que preenche tudo e ninguém o vê.


 23/10/02- VEM
               
Vanderleis Maia
Enviado por Vanderleis Maia em 27/11/2005
Reeditado em 09/11/2010
Código do texto: T77286
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vanderleis Maia
Imperatriz - Maranhão - Brasil
1412 textos (110795 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 20:20)
Vanderleis Maia