Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Madureza

1998

Estou cansado,
Até a alma estou cansado,
Meus pés não querem mais andar,
Meus joelhos rangem como velhas dobradiças...

Fiquei curvo,
Meus braços caíram,
Não há força que os possa levanta,

Meus olhos não querem ver,
Cansados,
Perderam o brilho.
Hoje são embaçados,
Ficaram vermelhos
E procuram o chão
E querem fechar-se...

Meu coração,
Lenta e silenciosamente,
Cansou-se das agitações
Taquicárdicas a que o submeti.
Estou cansado.

Deito e não durmo,
Quando levanto
Estou mais cansado ainda.
Minha boca já não fala
Nem meus ouvidos ouvem.
Joguei muitas palavras ao vento
E elas se desfizeram com o tempo.
(Defeitos de um poeta menor)

Meus ouvidos, por muito tempo,
Expectativaram por palavras
Espontaneamente doces,
Cansados de esperar, apodreceram.
Hoje já não querem ouvir mais nada.

Minha mente
Cansou-se de tentar
Entender as normas,
Já não menta nada.

Isso não é um estado temporário,
É a eternidade toda em mim.
Sebastião Alves da Silva
Enviado por Sebastião Alves da Silva em 25/04/2006
Reeditado em 25/04/2006
Código do texto: T144782
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Sebastião Alves da Silva
Imperatriz - Maranhão - Brasil
687 textos (27272 leituras)
2 áudios (87 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:22)
Sebastião Alves da Silva