Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Partida

Hoje, quando acordei,
Caia uma chuva fina, tranqüila.
E, sob os lençóis, quase não me levanto,
tão boa sensação tive ainda deitado.

Contudo, chamava o hábito e,
quase contrafeito,
pus os pés no chão para que me levassem ao banheiro.
Dei comigo no espelho,
parecia sorrir, foi o que pareceu.
Depois de fazer os asseios rotineiros,
estava na cozinha olhando o fogão triste.

Passei um pouco de café que
fumaçava sobre a mesa junto a um pedaço de pão.
Alimentei em silencio,
o silencio de minha pessoa,
Um ritual de paz.

Voltei ao quarto, pus uma calça,
calcei um velho par de sapatos,
depois abotoei a adorável camisa branca.

O sol parecia querer surgi e surgiu.
Estaria pronto não fosse o cabelo
uma mexa teimosa,
sempre assanhada, aparecer no espelho.
Sabia ser impossível penteá-la,
mesmo assim tentei.
Larguei o pente,
a mexa espevitada,
peguei a bolsa e dirigi-me a porta.

Antes de sair, no entanto,
verifiquei seu conteúdo.
Certifiquei-me que estavam lá
Meu Drummond e minhas Pessoas...
Estava tudo certo.
Mesmo assim,
peguei Drummond e li
“Consolo na praia”...
Estava tudo muito bem.

Após sair, já do outro lado da rua,
voltei-me e olhei a porta apelativa,
Sempre a sensação
De estar esquecendo algo,
Alguma coisa perdida.

Segui Meu Caminho
Caminhando pensativo,
Ouvindo os pés,
Maltratados de longa data,
Amaciarem o chão.  
Sebastião Alves da Silva
Enviado por Sebastião Alves da Silva em 26/04/2006
Reeditado em 26/04/2006
Código do texto: T145377
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Sebastião Alves da Silva
Imperatriz - Maranhão - Brasil
687 textos (27269 leituras)
2 áudios (87 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 17:57)
Sebastião Alves da Silva