Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ócio solitário e previsões melindrosas

Consentido e calado
Manifesto meu ócio solitário
Permaneço ausente à globalização
Princípio e causa sem efeito
Considero apenas os cidadãos
De vilas camponesas sulistas
Protetores a posteriori
De suas raízes!
Diriam que sou totalitário, bestial
Ou até mesmo um nefasto primitivo?
Sou tudo isso e acrescento:
Ainda não sou unitário
Agora está na moda ser profeta midiático!
Então defino meu rótulo...
Sou um universalista unitário
Num planeta prestes a explodir
Desencadeando a temida é mais cruel
Grande Guerra Nuclear!
Falácia? Logo, logo vai se iniciar
O que podemos temer?
Em quem confiar?
Não quero ou poderei ter um herdeiro
Que viva sem/com segurança
Em um ecossistema livre e puro
Graças a crueldade insana dos animais
Ocupantes das cabinas estatais
Perdão se prevejo uma tragédia mundial!
E porque hoje li jornal dominical
José Luís de Freitas
Enviado por José Luís de Freitas em 01/05/2006
Reeditado em 01/05/2006
Código do texto: T148172

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Luís de Freitas
Diadema - São Paulo - Brasil, 32 anos
466 textos (177598 leituras)
28 áudios (28249 audições)
1 e-livros (111 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 12:41)
José Luís de Freitas