Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

essendi cósmico

encontrar que somos amantes num mesmo desejo,
se o sonho não fora um poema menor,
se não fora ele uma forma de lembrar os nossos mortos tão quietamente dormindo
dentro daquele nosso intuito desinteressado
de sermos embora um, às vezes dois,
e às vezes uma imensidade de corações imperfeitos que se encontram
um co outro
sem imaginar que noutra imagem mais concreta
nos temos todos a mesma figura gravada no espelho de nossos olhos.
encontrar que somos feitos de uma mesma matéria,
e que o universo é a nossa matéria,
o universo, sem vínculos com deus, sem nossa união abnegada co inferno,
uma matéria desenhada traço-a-traço quão perfeitamente montada
peça-a-peça
como se o encaixe fosse o justo para cada coisa
nadando imersa em nosso espírito
que segue a erma caminhada se afogando nas águas zonzas e ondeantes do nosso querer ser
essa mentira que contamos depois de cada beijo
imaculado,
o beijo que é as coisas serenamente em nossas pestanas que se fecham
cheias de amor, cheias de amor,
já perdidas na contemplação de nos encontrarmos irmãos do mesmo sangue, nosso, de homens
e coisas,
se o sonho não fora um poema menor
deitando em teu colo.
encontrar que nossas mãos se abraçam
num desejo íntimo de conhecer quem é o nosso semelhante,
porque nosso abraço encontra pele-a-pele negros e brancos e a miscigenação da raça,
nossa raça de sermos homens bêbados desse vinho colhido das parreiras
de continentes distantes de nossa memória,
e assim temos mentes e olhos de uma mesma profunda história
que se conta nas inconseqüentes linhas de nossas mãos,
nossas mãos pálidas e calejadas de que teremos o prazer de ouvir os versos desenhados de nossos dedos
aportados na areia que se apaga,
pois que sem mais nem menos haveremos de morrer docilmente as palavras
e na noite rezaremos um pai-nosso humildemente
em nossos joelhos machucados,
então o mundo se comprazerá pelo afastamento da nossa estrutura bruta
e de ardume nas veias
‘sangüentadas do câncer que corroeu nosso espírito
de um tumor maligno
que toca também nossas pernas cansadas de não ter um caminho por fim que se siga
para onde for que não seja um retorno para dentro de nós mesmos
lânguidos e doentes.
encontrar que somos adoecidos de uma mesma enfermaria
e que as flores que nos depositaram ao colo
estão murchas, porque não podíamos regá-las nem dar-lhes o sol
para que fossem doces
e para que houvesse o néctar que chuparíamos como borboletas azuis voando pelo silêncio
da pura contemplação de nós mesmos
enquanto quem encontra uma verdade turva e esquisita,
a de sermos filhos de nós mesmos,
por isso irmãos de um mesmo universo
e de uma mesma mulher louca,
essa mulher tão enormemente que se chama dentro de nossa debilidade vida,
e ainda vida
no nosso medo de viver.
encontrar que enquanto há a noite e a dor de nossas almas
temos sempre aquela vontade de exprimirmos a nossa preguiça diante da beleza
e nosso distanciamento quando as rosas não resolvem a realidade,
porque temos ainda tanto o que procurar pelo chão
onde cisca o galo envolto da madrugada
cósmica
milho-a-milho construindo um enlace matrimonial da noite co dia
sem pensar que seja esse indivíduo que revela as manhãs
sem expectativas,
mas cheias da paixão feroz que nos consome enquanto o dia se declama em nossas bocas.
face-a-face o tédio nos declara mortos do desejo
pelo simples fato de estarmos vivos e sermos escolhidos como círios de uma religião que vela pela escuridade
quando existentes pelo fosco da nossa visão.
encontrar que há em nós aquele outro
que conhecemos tão mal e tão debilmente por negarmo-nos a escutar que chamam
quando cantam cantigas-de-roda chorando as crianças
filhas de uma fome que o mais rico dos homens não suplantaria,
porque não há alimento que sustente aquela falta das coisas
que são sorrisos, lembranças, segredos, histórias, palavras, escritos signos
quase sem sentido
e cores vindas dos espectros de um sol que se apaga reluzente
como uma estrela morta,
e depois o sono que não descansa, que não encontra um travesseiro.
encontrar que somos pássaros em gaiolas
presos eternos
movidos pela vontade da liberdade
num grito que alcança o ápice do nosso desespero
e logo então nos desprendemos,
de tudo,
e as amarras apenas são um pensamento,
porque não nos deixamos desmaiar perante deuses
nem perante déspotas,
deixamo-nos sim um caminho por qual podemos andar mesmo sem destino,
a rua é quem caminha,
mas agora libertamos nossos passos
e, para onde forem, serão nós como senhores
e não mais serviçais
nem mais cegos.
o cosmos pertence a nós
e encontramos como transformá-lo internamente e inteiramente
o nosso ser,
a nossa história,
isso se o sonho não fora um poema menor,
um poema inconcluso.

(10/02/2005)
andré boniatti
Enviado por andré boniatti em 26/05/2006
Código do texto: T163355
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
andré boniatti
Corbélia - Paraná - Brasil
288 textos (45250 leituras)
17 áudios (887 audições)
14 e-livros (768 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:37)
andré boniatti