Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FÊNIX

Devolvo-me à flor da terra,  de volta as cinzas
A carcaça cansada, impregnada medula óssea adentro
Retina afora, como a extensão inexata entre  o céu e a terra
Entre galáxias e estrelas, entre o paraíso e o inferno

Fui andarilha errante, nasci do acaso, do vento
Tenho em mim marcas das curvas, das chicotadas do tempo
Minhas demandas com o destino, obstinadamente,
Remando em círculos, no querer de minha mente
Só fui andarilha errante....

Devolvo-me então de vez às cinzas, o castigo merecido
Minha medula assim exposta, minha retina burra
Devolvo-me em absoluta covardia, fugindo das trevas
E da luz do meio dia, minha guerra santa
Meu silencio em pedras, minha face orvalhada
Pelo criptar do sol, pelo sal da lua.

Já sou por destino errante,  piso em terras estranhas
Tomo por posse bandeiras  que não me pertencem
Bebo do cálice alheio, não sei se de vinho ou  de sangue,
Mas bebo, e bêbada então ando em cordas bambas
Como uma andarilha errante...

Devolvo-me então à terra, volto sim as cinzas, fênix
Que renasce, uma chance, um tempo, um novo  cálice
A águia no ninho, arrancar-lhe o bico, as unhas, as penas
Saltar despenhadeiro abaixo, num vôo solo, solitariamente,
E voltar de novo ao caminho, ser andarilha errante...
angela soeiro
Enviado por angela soeiro em 20/06/2006
Código do texto: T179213
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
angela soeiro
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 52 anos
88 textos (3359 leituras)
1 e-livros (36 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 00:18)
angela soeiro