Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Botões

Abotôo minha camisa.
Meus botões falam-me sobre
Coisas que nunca vi.
Em meu bolso o lenço aconchega-se.
Com ele cubro as farsas, mantenho-o
cheiroso para  não haver desconfianças.
A gravata é fina, laço clássico ou simples,
É só enfeite, não me preocupo.
E os sapatos engraxados brilham,
ostentam o seu coro, não sei qual a vida que tiraram,
mas hoje andam vivos por aí.

Sobre a escrivaninha papéis avulsos,
Jogados, amarrotados, que tentam recuperar
algo que não me cotam.
O vaso com as flores murchas.
Percebo vida como flores, se não há verdade
e vida, não há motivo para viver.
Livros, dicionários, querem contextualizar
poesias, querem definir meus medos,
querem em palavras, sentir o que não sinto com o coração.

A janela escancarada deixa o vento passar,
E um frio, quase irresistível, perpassa
Minha mente quente e sozinha.
O espelho ao lado do quadro sem arte
Reflete outros espelhos, reflete meus olhos,
Reflete paisagens que nunca antes foram contadas.
Ouço ao longe uma voz, que grita ou canta,
 Essa voz diz algo endereçado à mim, meu sangue
Não decifra essa mensagem.

Um bebê engatinha na sala,
Um cão pára na esquina e observa
O correr da vida.
Continuo a abotoar meus botões,
Que me contam das duvidas que deixei passar,
Das respostas que não agarrei.
E avisam-me:
- Saia da rotina!

     

Freitas de Carvalho
Enviado por Freitas de Carvalho em 23/06/2006
Reeditado em 22/12/2006
Código do texto: T181163
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Freitas de Carvalho
São Bernardo do Campo - São Paulo - Brasil, 27 anos
31 textos (695 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 08:40)