Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Mistérios volúveis

Havia uma carta em meu bolso
Ela não me dizia nada
De sua boca saia sangue
De minha arma brotava feridas
De meu calcanhar ruminava o denso pasto inglês

De minha cólera saia o meu fogo e o meu destino
De minha razão de viver brotava o meu amor por você
De minha pele saia o ódio de minha Terra

De minhas assas eu imagina um novo mundo
Em que não mais teria que buscar por tijolos e tijolos
E não mais me mataria por tantas pequenas coisas vãs e fúteis
De minha casa sai a discórdia e o mal que tanto evitei
E assim mesmo eu fiz bonecas de pano para me proteger

Eu era a dor e o tormento
Eu era o Caos e a Desilusão
Eu sou a praga e a peste
E de minha memória ninguém queira se lembrar

Com quantas nuvens vocês fizeram esse prédio?
Com quantos pais e pais de profetas mortos foram embebidos de sangue puro?

Eu os espero na porta de meu templo
Com minha lança e minha espada
Com minha ia e meu furor
Com meu amor e meu torpor
Ate que você diga finalmente que me ama
E que se rende a mim, que sou teu Rei Eterno...
Rônaldy Lemos
Enviado por Rônaldy Lemos em 05/07/2006
Código do texto: T187783
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rônaldy Lemos
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, 34 anos
1173 textos (70499 leituras)
70 áudios (455 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 14:11)
Rônaldy Lemos