Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Colher de Pau

Não conseguiu realizar os movimentos que devia
ao tentar subir no banco pra alcançar na rouparia
a colher de pau que de noite com cuidado escondia
enrolada na toalha azul.

Não soube se viajar era mesmo o que queria.
Seria bom ansiar por uma pequena estadia.
Do litoral o navio pelo oceano entraria,
buscando os lindos mares do sul.

A colher mantida enrolada de noite lhe serviria
pra lhe lembrar da façanha que o dia seguinte exigia.
Tamanha a feijoada que ela sempre fazia
sem que tivesse defeito algum.

Porém, era a hora do sonho que a madrugada trazia.
O rosto ficava tristonho, lugares distantes havia
que ela jamais conhecera e, mesmo que fosse num dia,
melhor o pouco prazer que nenhum

Seu povo cantarolava de fome, com a barriga vazia,
enquanto já lhe consome aquela pequena heresia
que era ouvir o seu nome, o que sempre lhe acontecia,
sem que pudesse fugir dali.

Com seu mastro, seu dilema, o poema que a impedia
de fugir de madrugada, mesmo sem muita alegria,
co’a colher de pau enrolada, talvez um pouco sombria.
Haveria pra onde seguir?

O que diria na calçada o mendigo que jazia?
Ao ver a mulher assustada, ele compreenderia
que era pra não dizer nada, melhor fingir que não via?
E ela então seguiria só.

Na beira do cais indecisa, por certo ninguém haveria
além do brilho do mar com a luz que ainda fazia
a lua, que não via nela aquela mulher que sabia
dessa vida desatar o nó.

Mas devo seguir pra bem longe, disso ela se comprazia,
levando essa colher de pau que antes resumiria
a vida que, tola, eu levava e que não terminaria
se eu nunca agisse assim.

Depois de pensar muito tempo naquilo que decidia,
foi que ela viu que o navio nem de longe aparecia.
E mesmo que ela guardasse a colher de pau que trazia
isso também não seria o fim.
Aluizio Rezende
Enviado por Aluizio Rezende em 28/07/2006
Código do texto: T203679

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aluizio Rezende
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
6596 textos (144487 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 16:51)