Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pássaro ferido

As aves se feriram por almejarem o céu,
tanto ziguezaguearam e julgaram-se o ar,
mais tarde, camuflaram-se em longo véu
sem nuvens, desde seu azulão ao âmbar!

Meros transeuntes eternos de nós mesmos,
pássaros!, somos a nossa própria paisagem,
que por nad’ainda sermos não a possuímos,
temos apenas divinas missões em viagem!

Imensidão de feridas andorinhas meigas,
tombaram do fundo de si mesmas, no dia
de quererem o perdível, em duras plagas
terrestres arrastaram sua trágica miséria!

Míopes cuja lanternas são as impressões
incertas, oscilando conforme nos apraz,
só em sonhos vemos co’olhar as estações
guiadas por brandos mensageiros da paz!

Quando sentimos que grandiosa liberdade
habita a renúncia libertária dos grilhões,
e quão edificante é reconhecer a felicidade
que nos cabe por justiça,não por padrões,

este pássaro de nós voará mais poderoso,
desprovido do querer abarcará mais poder
e não possuirá o céu pois ele é o Universo,
homem-pássaro-céu, alma única a crescer!

Santos-SP-24/09/2006
Inês Marucci
Enviado por Inês Marucci em 24/09/2006
Código do texto: T248442
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Inês Marucci
Santos - São Paulo - Brasil, 54 anos
584 textos (23416 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 20:58)
Inês Marucci