Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Ronco da Preia-Mar

Está bem, vá lá que seja.
Mas acrescenta aí uma ponta de essência
na lantejoula de teu pensamento
e descobre que a verdade
está no aumento da possibilidade
de elucidação do problema,
e não na difusa racionalidade concreta
de uma solução que não se quis
alcançar.

O ronco da preia-mar se dissolvendo na areia.
Um monte de andorinhas correndo para vê-la
esgueirando-se pela ribanceira
em direção ao céu.

Ao sul estou sentado
no tronco da árvore ressequida,
com meu charuto apagado
na boca.

Se faz sinal, meu medo não vem.
Apanho um pouco de água de sal.
Vou perdê-la de vista.
Procuro por alguém, uma pista
que insista que eu nunca estive aqui.
O tronco da árvore ressequida
me dá mais um dia de vida,
me olha em seguida
e vê que irresolutamente eu fugi.

A água ressentida
volta pro meio do mar.
Meus pés molhados parecem
querer gargalhar. Eu nunca soube nadar.
Seu dorso cor de âmbar,
as coxas que me impulsionavam a cabeça,
as últimas coisas que vi
como sendo aquilo que mais desejei.
Depressa, subindo a ribanceira.
No tronco sentado fiquei.


Rio, 21/02/2006
Aluizio Rezende
Enviado por Aluizio Rezende em 05/10/2006
Código do texto: T256842

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aluizio Rezende
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
6596 textos (144477 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 08:38)