Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nimbos - glosa Augusto dos Anjos

“glosa Augusto dos Anjos”
Nimbos de bronze que empanais escuros
O santuário azul da Natureza,
Quando vos vejo, negros palinuros
Da tempestade negra e da tristeza,

 * * *

Nimbos de bronze que empanais escuros
a alvura dulcificante de toda parte etérea,
vêm a mim,  pétalas de anjos passageiros,
quando há solitude adormecendo  flórea!

Tudo que pelos meus olhos passa, flameja;
o santuário azul da Natureza,
luminoso lago dos céus desce e andareja,
em meu sonho adentrando, doce pureza!

Cachos de neve imaginários vêm morar
na mente, rainha de mundos forasteiros,
quando vos vejo, negros palinuros,
sinto o anelo do florescimento suspirar!

Esperança em suas formas tão belas,
de um futuro que as ânsias diviniza
fogem errantes, fingindo-se estrelas,
da tempestade negra e da tristeza!

Nimbos
Augusto dos Anjos

Nimbos de bronze que empanais escuros
O santuário azul da Natureza,
Quando vos vejo, negros palinuros
Da tempestade negra e da tristeza,

Abismados na bruma enegrecida,
Julgo ver nos reflexos de minh’alma
As mesmas nuvens deslizando em calma,
Os nimbos das procelas desta vida;

Mas quando o céu é límpido, sem bruma
Que a transparência tolde, sem nenhuma
Nuvem sequer, então, num mar de esp’rança,

Que o céu reflete, a vida é qual risonho
Batel, e a alma é a Flâmula do sonho,
Que o guia e o leva ao porto da bonança.

Inês Marucci
Enviado por Inês Marucci em 04/11/2006
Código do texto: T282025
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Inês Marucci
Santos - São Paulo - Brasil, 54 anos
584 textos (23407 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 06:44)
Inês Marucci