Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema Inominável II

Caí sobre as mesas de
Velhos bares sujos
Que estavam postas
No salão das minhas
Festas antigas.
Ao chão caído,
Cortado pelos cacos de vidro
Das garrafas do líquido
Que não satisfaziam
A minha sede de Sim,
Li um antigo livro
Que sempre se modifica
Nas brutas linhas
Das minhas mãos
E nas feridas profundas
Dos meus pés.
Folheei o livro,
O Livro Que Eu Sou,
Lendo meus erros
Como personagem heróico,
Lendo meus acertos
Como personagem vilanesco.
Terminei de lê-lo
E comecei a escrever
O primeiro capítulo
Do Livro Que Eu Sou Além.
Neste livro eu não sou
O herói errado,
O vilão correto,
Das minhas narrativas,
Eu Sou Além Do Que Eu Sou.
Caio agora nas páginas
Acima do meu Eu.
Escrevo-me Eu.
Inominável Ser
Enviado por Inominável Ser em 24/11/2006
Código do texto: T300576

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Inominável Ser
São João de Meriti - Rio de Janeiro - Brasil, 40 anos
85 textos (31738 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:24)