Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Alma crua

Visto-me de um “eu sou”
Ideal e desmedido às minhas proporções
Embotados, costurados costumes
Avesso à moda do “amor ao semelhante”
Sendo tantos desiguais

Ah... vida trocada, existência tão breve
N´alma que não se atreve a descrever
o que acredita ver
revestido por tanta invisibilidade

Esse mundo cartório
Criou um deus que atende aos petitórios
Lavrado em ata assinada por analfabetos
Que em vários dialetos crêem certo
O amor cego amar a si como vê aos dessemelhantes

A cada instante, como um louva deus,
Mimetiza o figurante,
Toda sua posse maquiada
Por um prazer que dá em nada,
Antes, durante...até o fenecer

Não há avisos impressos ao nascer
Tudo se cumpre letra por letra
Até mesmo para quem não sabe ler

Cansado de saber que me cansarei,
Não paro de andar dentro de mim
Por um caminho que não tem fim
Esse sim, inominável como a beleza
Tem gosto azedo aos doutos apressados
A vencer uma cidade

Despertar é um acordo entre sonho e realidade
Sem veleidade, esse eu nu, despojado de si,
estrelas ocultas pelo sol
Anda... até voa,
Sem saber o que é dormir
leandro Soriano
Enviado por leandro Soriano em 16/10/2005
Reeditado em 16/01/2014
Código do texto: T60189
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
leandro Soriano
Santos - São Paulo - Brasil, 59 anos
199 textos (8367 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:30)
leandro Soriano