Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TEMPO DE MUTILAÇÃO

A noite se abre
Constelação de signos
Escrita silêncio que canta
Séculos, gerações, eras
Sílabas que alguém diz
Palavras que ninguém ouve
Ecos chamando
Labirinto
Olhos se afastam
Perdidas todas as batalhas

Abriu-se o minuto em dois
[Li signos na testa desse instante]
Os vivos estão vivos
Andam, voam, amadurecem, explodem
Os mortos estão vivos
O vento os agita, os dispersa
Cachos de sombras que caem entre as pernas da noite
A cidade abre-se como um coração
Como um figo – a flor que é fruto
Mais desejo que encarnação
Encarnação do desejo

Algo se prepara
Nada se diz exceto o indizível
Este mesmo inverno vacilante
Este mesmo ano doente
Fruto fantasma que resvala
Entre as mãos do século
Ano de medo
Tempo de sussurro e mutilação
Ninguém tinha rosto aquela noite
No “underground” do Rio
Ninguém tinha sangue
Nem nome nem espírito

Já não há prazer
Já não há dor
Nem amor
Corpo e espírito afastam-se
Sem invenção
Solidão sem letras
Poetas longínquos
Sem mãos de escrever
Tristeza e paixão

Mutilação

Rose de Castro
A ‘POETA’
Rose de Castro
Enviado por Rose de Castro em 07/09/2007
Código do texto: T641979
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Rose de Castro
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 60 anos
200 textos (22279 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 12:23)
Rose de Castro