Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SONHOS AZUIS


Debruço meu olhar sobre o azul
Não o do céu
Não o do oceano
Mas o daquela linha distante
onde os dois se juntam e, violentamente,
me empurra para todos os horizontes
O azul do horizonte visto alargado
ainda quando a criança que fui e que há muito deixei de ser
Sabiamente, com garra, não deixei escapar a percepção de ser
Horizonte dos horizontes multiplicados em
infindáveis tonalidades azuis

Deixo crescer os azuis dos horizontes
como quem não tem outra opção senão a de

Amei em águas distantes que
só agora esta linha fina ao longe me faz
lembrar que todo o amor
desgastado,
triturado,
dobrado em peças finas de cambraias
também era de cor azul e
a confusão dos atos não me fez perceber a tempo
No calor das chamas, não senti
que o fogo teve o poder de embotar o meu pensar

Queimei-me em labaredas selvagens
Molhei meus ossos com ungüentos satânicos
Ardi minha alma em profanas celebrações
Desprezei as pérolas!
Paguei todos os meus pecados
e agora tenho um crédito

Nunca tinha notado isso antes e foi preciso
eu debruçar o meu olhar nesse horizonte,
neste exato momento,
para que tomasse consciência do fato
Precisei desfolhar as dobras dos atos idos,
já mofadas pelo frio, já flácidas pelo úmido passado,
um tanto frágeis pela falta do manusear

Pensei que tinha esquecido de tudo,
apagado de uma vez por todas da memória --
agora acostumada pelo entupimento de experiências provocadas propositalmente e com intento acertado
Vã ilusão adormecida!
Determinado medo que sempre fingi não existir
e que o meu silêncio quis iludir todas as lembranças
deliberadamente negadas: azuis

Ah... tolo fui em não querer perceber
que tudo o que criava para empuxar
um passado inapagado pelas cinzas,
cedo ou tarde,
renasceria como fero fênix,
vivíssimo a me mostrar que tudo foi assim, azul

Arranhei-me,
rasguei o sangue na garganta,
dilacerei a carne como o agricultor separa a terra com uma enxada,
quis me arrebentar por dentro como que querendo a morte
Corri com o pé-de-vento tentando esquecer,
tirei o pé da cova como num milagre
e revivi sonhando com outra vida a vir
Pensei com azeite doce os olhos das feridas,
deixei que as cicatrizes se apagassem sós
Fiz um plantio demente de uma inconsciente semeadura

Enquanto um azul ali adormecido
multiplicava-se em outros horizontes,
tantos outros azuis se dilaceravam em outras águas,
pululando em choros em vidas em novas formas

Se coloquei os olhos na caixa para
esse fecho de luz por tantos fevereiros,
tudo foi em vão e inútil
Os olhos, desencaixados, se abriram e,
agora, mais que nunca,
consigo ver todos os azuis
O azul do céu
O azul das águas e dos sonhos
O azul das linhas de todos os horizontes
que me transportam para o sonho de outros sonhos
que serão azuis

Fernando Tanajura
Enviado por Fernando Tanajura em 20/12/2005
Código do texto: T88625
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Fernando Tanajura). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fernando Tanajura
Estados Unidos
1467 textos (154770 leituras)
1 e-livros (154 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:15)
Fernando Tanajura