Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FORA DO RUMO
Evaldo da Veiga

Sai fora do rumo, sai fora da fuga.
Queria ficar, precisava ficar, mas
continuei fugindo:
 de mim, de todos, de tudo..

Queria distância da minha carne sem voz,
do meu silêncio sem alma, 
e consegui acabar com tudo: 
sonhos, lembranças...
fiquei vida sem alma, destroços...

Depois, numa tentativa à época impertinente,
me procurei avidamente, no pó hesitante da vida.
E, perdido por irremediável,
dilacerei-me nos cacos da solidão.

Estrangulei minha força,
neguei o sim, o não, o talvez,
náusea branca..., morte insípida...
Ela veio, deixou vivo o corpo, 
mas silenciou a vida.

E este foi o meu sepulcro:
silencioso, sem voz,
 sem alternativa, sem dizer...
Com a morte, depois, veio minha espera:-
quem sabe em três dias voltarei? 
Ousei pensar...

Minha ressurreição demorou um pouco mais,
estou retornando dez anos depois,
MAS RETORNEI.

Niterói - RJ



evaldodaveiga@yahoo.com.br
Evaldo da Veiga
Enviado por Evaldo da Veiga em 16/02/2006
Reeditado em 07/06/2006
Código do texto: T112471

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Evaldo da Veiga
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 73 anos
952 textos (313611 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:14)
Evaldo da Veiga