Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AMOR DOENTIO

Outra vêz brigamos,
Por fatos banais,
Velho preconceito
Das noites intelectuais.

Dissemos bobeiras,
Brincando com á vida,
Ovulo não flechado,
Cena calada, não partilhada,
Poderiamos ter chamado
Alguém do nada,
Saciando nossas atrapalhadas.

Somos mesquinhos
Ao termino de cada alvorada,
Passeio, festa e outros lazeres,
Show, baile e música ao vivo,
Cineclube, jantar e exposição,
Quando a noite terminava,
Iniciava ferida, em cada qual coração.

Eram repentinos momentos
Quais não queriamos fazer acontecer;
Rolavam-nos, giravam-nos,
Mascarados, consumavam,
Quando aquilo acabava
Juravamos não mais repetir.

Depois...
Nova atração, caisa animal,
Outra e mais outra evolução,
Nosso romantismo, não mais existia,
Era como subir numa escada,
Granito, piso frio,
Identidade, da verdadeira hipocrisia.

Você me idolatrava,
Eu, burro te adorava,
Nem eu e nem você sabia
O que era querer o bem do outro,
Nós não entendiamos
Dramático problema,
Nossas vidas, ambas vazias.

Só viemos a descobrir
Quando nos perdemos
Foi no nosso existir
Ao entrarmos em pânico,
O nosso amor
Sempre no deserto andava,
Já era somente pó
Espalhando a beira da estrada.

Precisamos crescer
Ter caridade suprema,
Recomeçar a vida
Num fixo alvorecer
Ou...
Adeus para sempre.
Alci Santos Vivas Amado
Enviado por Alci Santos Vivas Amado em 07/04/2006
Código do texto: T135211

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alci Santos Vivas Amado
Mimoso do Sul - Espírito Santo - Brasil, 71 anos
238 textos (31031 leituras)
2 e-livros (136 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 00:13)
Alci Santos Vivas Amado