Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DOS GRILOS NOTURNOS

“Acordei agora com um grilo. Depois eu conto...”
João Justiniano da Fonseca.

E daí, qual é o resultado vocabular, poemia concreta do tal grilo noturno?

Não seria um pirilampo, humilde vaga-lume, a troçar pelos céus da Bahia do Salvador?

E, se engolido, nunca seria uma lamparina errante, e, sim uma lanterna andarilha, patinhas trôpegas, tudo de humano acompanhando as luzes furtivas.

Seria o tal grilo a saudade, aos copos, aos goles ou às lágrimas?

Diga, diga logo sobre o tal noturno bichinho, porque meus cães soturnos sempre uivam, mesmo que Papai Noel transite pelas estradinhas siderais, com suas renas, o seu trenó de sonhos, fantasias e lendas.

Estou por aqui, sentinela da Pátria ao Sul do Mundo, olhos úmidos, rezando pela Paz. Pela Fraternidade Universal, nestes tempos natalinos de luzes e sombras.

– Do livro EU MENINO GRANDE, 2006 / 2008.
http://www.recantodasletras.com.br/prosapoetica/150140
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 04/05/2006
Reeditado em 21/09/2008
Código do texto: T150140
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709794 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 20:54)
Joaquim Moncks