Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quintal



Não conhecia a pressa do tempo.
Este era, então, generoso...
Nas manhãs de vozes fugidias, o despertar era doce e vagaroso na claridade que, pelo postigo, invadia.
Os dias longos, no interminável quintal, tinham o cheiro da fruta madura, da terra molhada, prenúncio da chuva.
E observava os passos lentos, em volta da casa, a cuidar das roseiras.
E ouvia a voz no alerta zeloso: cuidado com as rosas, são lindas, mas podem ferir... mas comia as pétalas e quebrava os espinhos.
Não sentia a dor que o remédio não alivia.
Este era, então, o carinho de um beijo no corte...
As raízes da árvore que crescia, rompiam o chão de terra batida onde a folhagem caia.
Catava as folhas, observava o caminho de suas nervuras e rasgava a lâmina para sentir o cheiro do verde... mas, depois, devolvia ao quintal eternizando o momento.
Não sabia da saudade que nascia a cada folha caída com o vento.

Cristina Nunes
Enviado por Cristina Nunes em 28/05/2006
Reeditado em 28/05/2006
Código do texto: T164727

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cristina Nunes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cristina Nunes
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 59 anos
421 textos (32644 leituras)
9 áudios (1002 audições)
2 e-livros (97 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 08:43)
Cristina Nunes