Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

REFLEXÃO

Guardo tantas coisas que não uso,
Por que?
Para que essas roupas inúteis
Armazenadas, em meu guarda-roupa.

Será que esses vestuários usados, amontoados
Me trazem prazer...
Existem peças que traças já começaram a roer.

Está muito frio lá fora,
Ouvi noticiário, outra frente fria vai chegar,
Isso não me diz nada...

Aquele andarilho que vejo da minha janela,
Próximo à rodoviária,
Desfigurado, feição triste, esfarrapado,
Dos pés a cabeça,
Suas vestes rasgadas,
Não me diz nada?

Enquanto meu guarda-roupa está abarrotado,
Meu olhar fixo lá fora,
O tal cidadão, passa de porta em porta,
Percebi, claramente, quando ele bate esperançado
À procura de um simples vestuário...
Isso não me diz nada?

Quando a gente se faz de cego, mudo ou surdo,
Destruímos o dom da inteligência,
A onde fica,
A partilha, solidariedade, justiça e a consciência?

Quando o tal homem subiu, quis bater a minha porta,
Fui eu, que anunciei primeiro,
Ofereci tudo aquilo
Que não estava me servindo,
Só aí que pude perceber que dei afeto a alguém,
Num gesto de não ser comodista.

Ofereci calor...
E, no instante da doação refleti:
"Se juntarmos muitas coisas
De que não precisamos para viver,
Elas poderão se tornar bastante pesadas
E nosso Espírito não se poder levitar,
Quando do nosso corpo se separar
Para conseguir ao firmamento voar,
Encontro da verdadeira vida,
Devido á estrada estreita esperançada,
Conforme prometeu Jesus,
Nos bem-aventurados...
Alci Santos Vivas Amado
Enviado por Alci Santos Vivas Amado em 29/05/2006
Código do texto: T165463

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alci Santos Vivas Amado
Mimoso do Sul - Espírito Santo - Brasil, 71 anos
238 textos (31022 leituras)
2 e-livros (136 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 12:46)
Alci Santos Vivas Amado