Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cortar o inútil

Cortava o cabelo dos clientes como a máquina que dilacera a carne no açougue. Apenas trabalhava porque tinha um ofício. Aprendera ainda novo por incentivo do tio, sua única família. E o mestre morreu. Assumiu o sobrinho o estabelecimento que já gozava de certo prestígio. Era freqüentado por homens sérios, sisudos. Os clientes eram lacônicos, abriam a boca apenas para reclamar da vida.
O dia estava nebuloso, anunciava tempestade torrencial. O cabeleireiro fechou, parcialmente, a janela. Ventava forte. O doutor Aníbal já estava na cadeira. Dizia que não agüentava mais advogar. Queria ter um carrinho de pipocas e ser adorado pela molecada. Mas, apenas sonhava. O jovem das tesouras ficou perplexo, pois vivia drama semelhante.
Cabelos grisalhos voavam pelo salão. A cada tesourada, a possibilidade de mudar o corte diminuía. O velho gostava sempre do estilo curto e modelado com todos os fios ordenados. Nenhum podia ser diferente.
Apesar da pequena fresta, o ambiente era invadido por uma ventania violenta. Furacõezinhos de cabelos formavam-se no chão. Paulinho cortava sem atenção. Pensava no anseio de fazer algo que lhe fosse prazeroso. Um intenso sentimento de revolta invadiu-lhe as artérias e propagou-se por todo o corpo.
Ao terminar o serviço, o cabeleireiro soltou um grito, acordando o doutor que cochilara. Este, estava com o cabelo todo espetado e irregular. Houve um escândalo. O senhor saiu revoltado, insultando o rapaz. Transtornado, Paulinho fechou o salão e foi para casa.
Chegou ao lar. Sentou no sofá, pegou em sua bolsa lápis e caderno. Escreveu “inutilia truncat” que significa evitar o desnecessário, cortar o inútil, desfazer-se de coisas que não são importantes e que só causam infelicidade. Queria ser poeta, viver intensamente. E começou a chover...
Bobo da Morte
Enviado por Bobo da Morte em 29/05/2006
Código do texto: T165488

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Bobo da Morte
Maringá - Paraná - Brasil, 29 anos
55 textos (2818 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 22:28)
Bobo da Morte