Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Telefone Sem Fio

Hoje é Domingo, e procuro, sem encontrar
A trajetória de minha escalada rumo ao esplendor.

Há muitas quadras daqui encontra-se a aurora.
Responde a mim o sorveteiro, ancião em sua profissão
Com livros rotos e enormes nas mãos, que, taciturno, disse-me ainda:

- Se não sabes, o mestre abrigado no lugarejo que
procuras, é sábio mantedor de sua realeza
E não se dispõe a acalentar nem aos próprios súditos,
que dirá a um pobre aventureiro em cuja ingenuidade abundante
evidencia-se.

Dou ao sorveteiro as costas, afastando-me da injúria
Que, por um momento, fez-me abdicar em favor do desânimo.

Mais adiante, receoso, pergunto ao engraxate, sentado ao lado
de seu carrinho de rodas amassadas, cuja ingenuidade abundante evidencia-se:

- Escute, pobre aventureiro, onde posso encontrar
o lugarejo no qual poderei acalentar meus súditos?

E sábio, responde-me, com realeza:
As intrépidas interfaces inescrupulosas e inexistentes impõem
Intensa intriga na índole instigada pelo íntimo interlúdio
De intensa e inebriante intolerância indúctil.

Afasto-me do engraxate abdicando, por um momento, da injúria do desânimo.

Sigo em lépida caminhada, atravesso a praça e procuro, sem encontrar, o momento que me fará abdicar em favor da realeza.

Aproximo-me dum guarda de trânsito com sua caixa
de madeira nas costas, a algumas quadras donde estavam
o engraxate e o sorveteiro e, desanimado, pergunto-lhe:

- Onde posso encontrar as intrépidas interfaces inescrupulosas e
inexistentes que impõem intensa intriga na índole instigada pelo íntimo interlúdio de intensa e inebriante intolerância indúctil?

E alterado, responde-me:
- Como posso eu, pobre súdito, em cuja ingenuidade
abundante evidencia-se, responder-lhe onde fica o lugarejo que abriga o mestre aventureiro e sábio mantedor de sua realeza.

Deu a mim as costas e afastou-se da injúria.

Já no limiar de minhas esperanças, muito distante
do cruzamento donde ficara o guarda, encontro-me
com um seminarista, que, de revólver na cinta e com apito na boca, aventurou-se a proferir:

Para acalentar seus súditos, você, em cuja ingenuidade abundante evidencia-se, deve desconsiderar tudo o que ouviu até o presente momento; pois, acreditar altivo de ata altaneira, em atos ágeis de aglutinante agonia, atrás de atrozes atores ativos e aguçados em alardear as atitudes alheias, através de alívios alapados, significa, de certa forma, encontrar-se com a aurora.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 13/06/2006
Reeditado em 12/10/2007
Código do texto: T174673

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34091 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:27)
Cesar Poletto

Site do Escritor