Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EXPLICANDO O AMOR

Romeu Prisco
 
Há séculos, escritores, poetas, sábios, religiosos, analfabetos, leigos, ateus e ignorantes, vêm tentando explicar o amor. O que amor é, o que o amor não é e o que o amor deveria  ser. Afinal, será que existe mesmo uma explicação para o amor, que agrade a todos, ou o amor é algo que depende exclusivamente do conceito de cada um, em determinados momentos ?
 
Pode-se dizer que o mais cruel e sanguinário bandido não ama, ou, se ama, que ama errado ? Quem ama certo ? Aliás, quem pode amar certo e quem pode amar errado ? Só podem amar certo aqueles que acreditam em Deus ? Só podem amar errado aqueles que acreditam no diabo ?
 
 
O amor é como a lua: um imenso deserto, árido, cinzento, feio para o nosso gosto, sem água e oxigênio, que cada um nele coloca o que bem entende, até torná-lo bonito, como seria aquele satélite, na fértil imaginação dos sonhadores. Pronto, acabei dando outra explicação para o amor !
 
Porém, não é isso que eu quero. Não quero saber se o amor é o mais nobre dos sentimentos, ou se é o mais forte, o suficiente para se sobrepôr aos demais sentimentos, principalmente os ditos negativos, como medo, ódio, raiva, inveja e ciúme. Quem me garante que estes sentimentos negativos não contêm, em si, uma certa dose de amor ?
 
Vejamos o ciúme. Não se diz, ou não se tolera o ciúme, como sendo algo próprio de quem ama, desde que alimentado sem excessos ? Então, amor e ciúme, mais do que andar de mãos dadas, são farinha do mesmo saco. E, se são farinha do mesmo saco, então, o amor também tem o seu componente negativo.
 
Na verdade, o que eu quero, é que o amor, assim como a lua, continuem sendo exatamente como são: uma fonte permanente e inesgotável, onde escritores e poetas vão matar sua sede de inspiração, na busca de temas para os seus textos em prosa e verso, a exemplo do que fiz aqui.
 
Romeu Prisco

-------------------------------------------------------------

"O poeta só sobrevive quando está doente d'alma e solitário, estados que o deixam, paradoxalmente, em perfeita saúde poética" (Romeu Prisco).


Romeu Prisco
Enviado por Romeu Prisco em 16/06/2006
Reeditado em 16/06/2006
Código do texto: T176425

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Romeu Prisco
São Paulo - São Paulo - Brasil
142 textos (31840 leituras)
9 áudios (4848 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 04:30)
Romeu Prisco