Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

S Ú P L I C A
Evaldo da Veiga



É uma imagem difusa, 
muita gente e não vejo ninguém.
Um espaço cheio, e sem viva alma...
Cadê você... ?
Busquei identificar algo de  familiar
e não vi nada, ainda...
Estou só, absolutamente só, não sei...
Sinto que ninguém sabe...
Se não sei,  desimporta
 se alguém saiba.
Só o que sabemos nos salva.
Saímos da proteção materna, aquela que,
 em protegendo, assume nossas intenções ,
que ali já são mutiladas.
Nem a mãe interpreta os verdadeiros anseios.
Embora, dispostas a isso,condicionadas,
 programadas...
É necessário mais, desde o início.
Mas se não foi assim, nada de lamentações...
É começarmos agora a busca de sintonia, 
de verdadeira  vida
O encontro homem/mulher é princípio...
Necessidade básica, sem a qual sempre 
haverá frustração,
apesar de todos os êxitos exteriores...
Sem amor cúmplice e camarada,
despenca a vida num processo de 
caída sem interrupção,
até chegar ao fim de tudo, ao destino do nada.
Ah! Começo a ver você, está ali à esquerda
da parte superior, estamos juntos, estamos
 em todos os espaços
Integrados um ao outro, integrados na vida...
Dois em um, carinho, amor e cumplicidade. 


N - Texto produzido a partir da
tentativa de interpretação da tela
acima, do genial e saudoso
Salvador Dali
.

www.recantodasletras.com.br/autores/evaldodaveiga



evaldodaveiga@yahoo.com.br
Evaldo da Veiga
Enviado por Evaldo da Veiga em 16/06/2006
Reeditado em 16/06/2011
Código do texto: T176639

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Evaldo da Veiga
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 73 anos
952 textos (313605 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 00:10)
Evaldo da Veiga