Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Assim Seja

A valer, a poesia toca o fundo
Invade as artérias, cede em barrancos
Brota das angústias enoveladas com amplitude
Absorve a extinta e inegável arte.

No afã de uma manhã indúbia
Ou na certeza de uma noite esplendorosa
A poesia se enriquece
Acomoda-se na sinceridade
Para explodir em luxúrias como gases nobres.

Esvai-se em ternuras mais tênues
Que as de outrora
E confirma a excelência.

A chave única do segredo gordo
Um farol aceso a judiar das velhas
Que as Zélias ou Marias não mais
Se surpreenderiam
Se injetassem o prefácio de lavadelas
Em suas vísceras cépticas.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 17/06/2006
Código do texto: T177489

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34085 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 08:02)
Cesar Poletto

Site do Escritor