Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Parece Ser

Alvorada emerge, excitação dos sentidos
Sentimento acalanta a lânguida língua
Intrínsecas bulhas, somamos limbo
Os alvéolos pulsam e não param
Não há como parar,
Somos carne!

Entre a famulenta ambição
E toda sua ordenação
Esqui na neve, ave no porão
Putrefando, aparecendo
Não há inteligência,
Somos osso!

Passa o tempo, bento crucifica
São lajes, servem-nos de arrimo
A rumar por mim, por nós, a corveta
Desgovernada embarcação
Não há como harmonizar a direção,
Somos sangue!

No compasso desta lenda
Hipogeu é o teu reforço
Bate o teto à chuva rala
Os simpósios da invernada
Não há como verdejar a água,
Somos paixão!

Sanguinolento e fracassado
Vai à rua e marca a cara
Reconhece os que passam
Pele, cabelos e lábios
Não há com entender,
Somos tempo!
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 22/06/2006
Código do texto: T180202

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34091 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 16:27)
Cesar Poletto

Site do Escritor