Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Teoria da Complexidade

Memória pulha, gasta
Enclausurada em gaveta, rasa
Objeto de angústia, pus na escuridão
Velame endêmico, pegajoso.

Relutantes horas marchando
Pra dentro do tempo, pra fora do corpo
Desgastado corpo, um aborto espontâneo
Icoroso e revelado, sanguinolento
Exemplo torpe, ei-lo presente.

Envolve o fígado, a peçonha da ira
À revelia, promovendo, concatenando
Os alvitres são modestos, mas sinceros
Ouça-os e pondere, proteja-se.

A fúria é o travessão inflexível da dor
Nele muito se sustenta, epopéias
Impraticabilidade serena e distante
Traz à superfície o eterno pudor
Ah, quão incolor!

Golpeia a hipocrisia demente da mente
Machucada e ausente que se estende
Sabida e inconsciente, uma página esquecida
Quase notória, esmaecida.

São os homônimos de negra capa
A aporrinhar incorruptíveis sonhos
Um dirigível sob o claro céu
Uma abelha cochilando sem o mel
A eterna rusga entre o pensar e o mausoléu.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 01/07/2006
Código do texto: T185911

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34085 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 09:48)
Cesar Poletto

Site do Escritor