Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CARTA CHORONA DO ANDEJO SUJO DE TERRA

Choro por ti, minha pátria gaúcha, arrinconada na memória, ao ouvir os bordoneios de uma gutural milonga. O berro do boi e o roçar do capim santa-fé solapam o destino andarilho.

O tempo de viver anda curto e a andança não é a mesma, aquela de "correr o chinaredo". Bebo água nas cacimbas do amor à terra e gente brasileiras. Este povaréu miúdo de escolas de saber universal canta o sofrimento da fome. O barro amassado é china rebolcada, lobuna de serenos, chuvas nos corredores. É grossa a sola dos pés e unhas crescem gretadas de pó sobre elas próprias.

Estou longe das veredas, grotões de carretas e ventos conhecidos. O minuano e o pampeiro não sopram aqui em São Paulo, o coração motriz do Brasil.

Tomo o mate-chimarrão da saudade no canto campechano de Lisandro Amaral, terrunho cantador cuja voz trouxe comigo na mala-de-garupa. A inspiração corre aos pulos nas artérias e veias.

A celebrada pátria gaúcha crava bandeiras, lanças ancestrais mortiças de sal e glórias. Amarga é a saudade de ti, meu Rio Grande reiúno.

Anseio pelo sol do amanhã, nesta hora em que mastigo o pasto guardado de invernos. Guio e tanjo meus novilhos fugidos. Não há toco de vela pro Negrinho do Pastoreio. Os fetiches se cansam além das fronteiras do Rio Grande. Só a estrela boieira sabe de amores e de liberdade.

Não há canseira nem soalheira que afogue os temores de ser. Por isso a vida é um bater de cascos. Os ideais de Pátria não se desgarram. Fogoneiam na vincha sobre a melena ao vento. A tropilha das idéias possui alma e não tem preço.

Cincerros tilintam no caminho feito, repontando a tropa dos desejos de amar o que é puro e verdadeiro. E como me faz bem chorar a tua ausência! É amarga a saudade de ti, meu Rio Grande de Deus.

E antigos paus-de-fogo, ancestrais fogões votivos, pigarreiam no mate-amargo a baba das vivências.

– Do livro CONFESSIONÁRIO - Diálogos entre Prosa e Poesia /EU MENINO GRANDE. Porto Alegre: Alcance, 2008, p. 295.
http://www.recantodasletras.com.br/prosapoetica/186871
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 03/07/2006
Reeditado em 12/04/2013
Código do texto: T186871
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709672 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 06:20)
Joaquim Moncks