Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PÊLOS E APELOS

Sinto-me, às vezes, como um personagem de Zola. Ora sangüíneo, entregue à egoística satisfação de necessidades imediatas, primárias - animal locupletado e fugazmente acalmado em sua sanha. - Ora nervos e sensibilidade, numa insatisfação perene, a meio gozo.

Eu me pergunto se ainda adolesço. É, talvez...

Noutro dia, estava lendo um escrito bem pueril (como este), feito há uma década. Nele, a certa altura, digo: "hão de crescer-me possibilidades!", qual mancebo que se olha ao espelho todo dia ao levantar-se para ver se no meio das acnes brotou algum pêlo viril, enquanto dormia.

Os pêlos vêm. E com eles, as metafísicas questões existenciais.

Hoje, levanto-me de manhã e vou ao espelho. Há pêlos. Muitos. Apelo, então. Não gosto deles pululando na minha cara, nem das questões que eles trouxeram, durante a noite.

Hão de crescer-me respostas?...

2006, 18 abr
Andrei Portugal
Enviado por Andrei Portugal em 09/07/2006
Código do texto: T190317

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Andrei Portugal - http://www.recantodasletras.com.br/autores/andreiportugal). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Andrei Portugal
Fortaleza - Ceará - Brasil, 41 anos
49 textos (3962 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 00:27)
Andrei Portugal