Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sinfonia

Trompete, morada dos anjos
Rima escuta zunido de fúria
Ameniza, penetra raspando
Toca as beiras, estátuas de mármore
Jeito eclético, fino toque, uma pluma
Boca não há, pois há ouvidos: dois!
São poucos, inopiosos tímpanos
Arrancam os gemidos, intensos, delicados
De pesados e tredos esquifes,
Não hão jeitinhos, só espinhos
Insuflam gaivotas migratórias, em vôo
Meus cálices de incipientes pés
Não quebram, ferrolhos e gases nobres
Do quedo e vil metal, a seta aponta, apronta
E a ginga monta em touro, puro de origem;
Ao ressoar das cordas, o tilintar se omite
Quanta imensidão! Incomensuráveis são;
No processo uterino, a lágrima esgrima
Nem se abruma, nem se oculta,
Dilata-se, rente ao pascigo, ide ao ninho;
Meus lemas... Factíveis sistemas sem nichos;
Anciãos, rotos, cegos, imbecis.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 20/07/2006
Código do texto: T198141

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34092 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 13:41)
Cesar Poletto

Site do Escritor