Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Guerra no Coração do Poeta

Ano a ano, documento em branco
A lua me trouxe o bridão
Quisera não, necessitava.

Um Orfeu desligado e convoluto
Magnetizado, irresoluto
Peço adeus, não luto!

Vou seguindo na Alameda das cores
Magros amores
Molharão com hóstias cabreiras
O ‘não’ queixado
É o lado a se expor no trato.

Até lotar a riba, o ego sobressalente acusa
Miúdos grãos de fogo, a cauterizar indícios
Resquícios fazem da poeira, interstícios
Enxotando pudores de dentro das jarras.

Meu vinho é o holocausto em Camboja
Hora bomba, hora empada, parada
Um desfile misericordioso de acordeons vencidos
Meus inimigos.

Pelas vielas, correm profundos barões
Munidos com braceletes de fronte aos pescoços
São para dissimular, para fazer de conta.

Ali não se enterra a palha, lambe-se a lona
As jaquetas de lírios cobrem-lhe os rostos
E os derrotados, todos eles identificados
Comem pela raiz, os narcisos plantados.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 26/07/2006
Código do texto: T202681

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34093 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 01:22)
Cesar Poletto

Site do Escritor