Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Onde findam os sonhos?




Onde findam os sonhos?





Olhava com freqüência as horas em meu relógio, andando de um lado á outro na estação. Era como se o trem tivesse quebrado ou tirado férias. Eu já estava ali a exatamente 28min e não passará trem nenhum.

Aproximou-se de mim um senhor, logo pensei que ele fosse me perguntar às horas. Mas não! Aquele senhor de voz esganiçada e altura baixa me disse pra ter calma, pois como sempre à pontualidade muitas vezes envolve outrem aí os nossos cálculos se desfazem.

Então eu disse:

- É o senhor tem razão.
 

Com um sorriso quase discreto perguntei: Quando isso acontece onde vão parar nossos sonhos?

Não pensei que ele fosse me dar alguma resposta valida ate por que não pensei que tivesse resposta pra essa pergunta.


- Minha filha, no mundo encantado chamado Nossas Utopias.

Meio que querendo mais, tencionei indaga-lo sobre temas da imaginação. Nem foi preciso, olhando em meus olhos, segurou em minhas mãos:

- Olhe! Guardei comigo ate agora esse tesouro. Tome é seu.

Com os olhos brilhando disse um eterno obrigado.  Logo depois nunca mais vi aquele senhor. Ele ficou na estação enquanto eu tentando refletir nas palavras dele entrei no vagão.

Só hoje através de sua presença fui saber que aquele senhor que não lembro mais o nome meu deu as chaves da realização. Mas só, não posso nem dizer as horas.

De coração peço um pedido simples: - Me dê seu sorriso mande noticias simples, do tipo estou bem, mas acredito em dias melhores.

Assim terei a força que preciso pra girar as chaves e tenho certeza uma grande possibilidade de vivermos em paz.









* já nem olho as horas, meu relógio está quebrado. Pena ter o deixado cair.

Obs.: O texto sofreu algumas modificações, pequenas quase nada. Mas o tema permanece.

(Ao som do poeta de sempre).

Renato Russo.



Às vezes parecia que, de tanto acreditar
Em tudo que achávamos tão certo,
Teríamos o mundo inteiro e até um pouco mais:
Faríamos floresta do deserto
E diamantes de pedaços de vidro.
Mas percebo agora
Que o teu sorriso
Vem diferente,
Quase parecendo te ferir.
Não queria te ver assim -...)
Jane Krist Coffee
Enviado por Jane Krist Coffee em 27/07/2006
Código do texto: T203063

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Jane Krist Coffee). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Jane Krist Coffee
São Paulo - São Paulo - Brasil
503 textos (67729 leituras)
1 e-livros (1205 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 00:56)
Jane Krist Coffee