Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Suspiro




28/10/1979.




Quem me dera poder estar no lugar dos meus sonhos, com você.
Quem me dera poder te amar com a força total do meu amor.
Quem me dera estar num límpido riacho, perto de mil flores, borboletas, roedores mansos.
Quem me dera, ao anoitecer, ver as estrelas brilharem no céu, sem fronteiras, nem obstáculos.
Quem me dera molhar meu corpo e meu espírito na água duma chuva de verão.
Quem me dera ouvir o canto dos pássaros que nunca viram um ser humano.
Quem me dera adornar-me com flores, e cobrir teu corpo com elas.
Quem me dera, quem me dera...
Mas a realidade da vida é de concreto, artifícios, desnaturalidades.
No céu poluído, as estrelas não surgem.
No chão podre de elementos químicos, as flores murcham.
A chuva cai mais triste que a própria vida, como o choro da natureza,
que suspira: “Quem me dera, quem me dera...”
O amor a cada dia morre, sufocado pela rotina, pelos enganos e desilusões.
Os sentimentos mais puros são jogados todos num poço fundo,
tendo ao fim sua destruição.
E o que vem a ser o homem, sem sentimentos?


Um boneco sonhador, à beira do poço, sem coragem de morrer para salvar seus sentimentos.
A lógica do mundo é ilógica. A alegria é triste.
Na vida, só se deixa e recebe mágoas.
Somos todos bonequinhos. Andando num rumo só, mas em classes diferentes.
A comodidade da vida atual mata a beleza de uma vida que jogou-se no mesmo poço dos sentimentos.
Este poço é o nosso próprio íntimo, que deixamos com que nossos sentimentos escorreguem mais fundo, até ficarem esquecidos, na lembrança.
Saudosos os tempos em que a mulher era uma flor, doce, delicada.
Saudosos os tempos em que o homem exercia a chefia sem magoar a mulher, os filhos.
Tudo feneceu. Só resta dor. De um suspiro é decifrado: “Quem me dera!”
Edilene Barroso
Enviado por Edilene Barroso em 28/07/2006
Código do texto: T203604

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Edilene Barroso
Campinas - São Paulo - Brasil, 53 anos
192 textos (21460 leituras)
12 áudios (4784 audições)
5 e-livros (337 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:21)
Edilene Barroso