Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tarde de Julho

Ó tarde de fleimão neste Julho pegadiço
Chovendo à melúria dos pingos, lavando a alma
Só não fleima a chuva minha
Pois, a tarde está pingada
Queimando tochas leitosas
Fulgor e celibato.

Pingando sobre o leito, o fogo preciso
Segue aceso, o conluio fulgurante da chuva
Lava o Julho, a tocha solfeja a só;
Só não é minha, a fulgurante tarde
Porque limpeza é melúria da alma
Pudor e mesa farta.
 
Por mais molhado e pingado o leito que fleima
Aquece com o lume resmungado, a alma nesta;
Monta conluio com a farta mesa, o solfejado meu
Só não chove em mim agora, porque o pingo se apagou
Celibatário e pudibundo;
Já é tarde.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 31/07/2006
Código do texto: T206262

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34083 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 18:00)
Cesar Poletto

Site do Escritor