Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Mão da Morte

De pejo não carece a mão da morte
Quando seu relógio atrasa ou trava;
Com pejo não se merece
Espera ir além, nos rastros do bem
Belém, Belém.

Com medo não acata o braço da vida
Na tenda da morte;
Esforços das setas torpes
Gentileza nos átrios, respirando sangue novo
Belém, Belém.

Não se atrasa, nem ponteia o relógio da morte
Quando seu braço se estende à imensidão
À ignorância da multidão;
Fugidias e rasteiras do corte no pé, do fedor da mão
Belém, Belém.

Pelo achado, não se censuram incontáveis dragões
Com o eflúvio ósculo da morte, na comarca da solidão;
Não se peia, nem norteia à porta que se lhe agrega
À invenção ligeira do homem, ao velame;
Pés e mãos nas cavadeiras que enterram narcisos
Belém, Belém.

A morte morre aos lentos golpes da enxada enferrujada
Não morre depressa, morre vestida;
Teceu o braço da vida, a gravata da data da morte
Não trouxe então, aquela multidão
Nem seus dentes escuros, com gosto de cedros;
Meteu oxidados braços no brotado vão das cordas da vida
E os que viam, ouviam:
Belém, Belém.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 05/08/2006
Código do texto: T209671

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34095 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 06:00)
Cesar Poletto

Site do Escritor