Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Delíquio da Inveja

Pelo fato das ovelhas marcharem na malva
Vem-me à mente, o infundado
Quepes varonis cobrindo façanhas
Somem no horizonte.

Remuito dó ao ver pisoteadas migalhas, em frangalhos
Fragmentos de histórias passadas, alças de solidão
E um beijo na mão, sela a vitória do ouvinte
Até onde sei, a ovelha encontrou seu rebanho.

Não foi sem banho, ao altar das coisas fúteis
Cravejou de essência o almofadado pescoço
Alinhou-se como em festa de gala, à feição da ocasião
Criou de trançada juta, o que a abelha vislumbrou
E deslumbrou-se.

Tenhas, ovelha, a certeza de que à véspera do casamento
Tu estarás a contento, não sumas na relva
E os outros a lhe aplaudir, mexerão o doce no tacho
Impassíveis de júbilo e garantidos a gorjear.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 07/08/2006
Reeditado em 07/08/2006
Código do texto: T211072

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34088 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:55)
Cesar Poletto

Site do Escritor