Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O solitário



Na vida acontecem fatos senão cômicos, curiosos. Faz uma semana que fui a uma festa e, num dado momento, em que as mulheres se reúnem para falar de suas vaidades, conquistas e aquisições, de repente, alguém disse:  “Olha o meu anel!” ... Os olhares se voltaram invejosos, percorrendo as mãos para constatar se era realmente de valor.
Era um anel de diamante. Não muito grande, mas, nem por isto, deixou de ser a estrela da festa. Cada uma foi mostrando assim o seu símbolo de status.
Do meu canto, onde era apenas uma observadora daquela cena, como  borralheira fui chamada para apreciar as lindas peças, percebi quando miraram minhas mãos onde em um dos dedos descansava um anel.
Ouvi uma voz esganiçada dizendo:  “Nossa! Não precisa humilhar!”  Ao contrário do que ali todos pensavam, o meu anel não fora presente de admiradores, assim como meus brincos.  Foram frutos do sacrifício de parte dos meus salários quando solteira. E tinha orgulho disto.
Apesar de ser uma pessoa simples adquirira peças caras. Na verdade, para dar-me algo que pudesse lembrar para sempre da dignidade do trabalho. Afinal, os diamantes são para sempre...
Ajudava em casa, comprava meus livros e me vestia. Por que não os diamantes?
Paguei a perder de vista por aquele mimo. Sempre os uso sem me lembrar de retirá-los.
Hoje, pela manhã, depois de lavar a louça do café, não percebi que, sorrateiramente aquela pedrinha reluzente e transparente  se soltara das garras que a prendera por mais de trinta anos no aro ao redor do meu dedo.
Não acreditei! Não tive reação nenhuma. Olhei dentro da cuba de inox da pia... Revirei o lixo onde jogara os restos recolhidos. Nada... Pensei:  Que olho!
Não senti raiva. Apenas assombrada.
Na realidade esta gema quis sua liberdade e voltava a percorrer o caminho para chegar ao fundo de algum rio ou lago qualquer.
Apesar do prejuízo, resolvi que tão cedo não colocaria outra em seu lugar. Era apenas um acessório... Um brilho fútil que ostentava como seu próprio nome: um solitário.

bette vittorino
Enviado por bette vittorino em 07/08/2006
Código do texto: T211423
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
bette vittorino
Juiz de Fora - Minas Gerais - Brasil, 62 anos
278 textos (30133 leituras)
1 áudios (15 audições)
4 e-livros (250 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 13:05)
bette vittorino