Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TETO DE VIDRO

Ser eu
Maior desafio que há
Desenterrar os olhos da vitrine perfeita
Sugar a ninfeta do poema e segregar
Do grosso e intenso douto
Sufragâneo e estrondoso
Sapecar as palavras de pierrôs sedentos
Por colinas de sangue e saliva dançante
A limar orgias, acolchoa-las entre os peitos
Sentir o jeito seco do fino leito
Onde o flamboyant perde flores
E engata amores na hirsuta aurora
Tem irmãs nos imãs das horas
É pedir calma à luva da morte
Por sorte, o telhado gambeteia.

Ser eu
Colméia recheada de ouro
Pouca sofisticação deitada na palha
Da bochecha amainando o sorriso
Que recado o prado acampa?
Meto-o no alforje da alma
E desencanto o decantado limo
De algazarra e podridão
De picadeiro e limão
Sorvete escorrido, lume na mão
Do boto das manhãs silvestres
No álbum de ira do palanque
Fito um instante, eulália jeitosa
Sinto arcanjos, belzebus e malaios
Giro os raios a atingir as calças da dor.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 09/08/2006
Reeditado em 22/06/2008
Código do texto: T212795

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34088 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 18:31)
Cesar Poletto

Site do Escritor