Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pena Branca

Tísico sou
Trem de moribundos
Semente coxa, infeliz
Num vão cordel de ilhotas.

Imprestável pascigo aos hircos
Aos porcos de plantão na ladeira
Nem folha, nem lenha
Água na lareira.

Flecha perdida, indecifrável
Nem o fôlego me empresta o ar
Sou tácito, mergulhão no escuro
Um breu é tudo que se possa importar.

O lado invertido, colina transversa
Aragem sopra o brilho no rosto
Passam perto, mancebos grilhões
Dão-me as costas, cotas hilárias.

E volta a cambiar
Quando o alvo espelho da mente
O papel
Permite-me deslizar.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 14/08/2006
Reeditado em 14/12/2007
Código do texto: T216591

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34088 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 08:46)
Cesar Poletto

Site do Escritor