Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O POETA E A MORTA

O POETA E A MORTA

O poeta está triste, perdeu tudo,  até mesmo a amada, que agora descansa . Descansa em sono profundo, séria, sua fisionomia  é de quem  dormiu antes da hora, envolta em roupas roxas. O poeta não tem mais alegria, vê a moça serena, silenciosa e bela. Dói  o coração do poeta e sem querer, cai-lhe uma lágrima discreta, não lhe percebem angústia, mas chora silencioso, estendendo a para a sua amada que já não mora entre nós.
Relembra, o poeta, a casa, o horto, a escada... tudo perdido.
O sol está indo embora, deixando apenas raios fracos, raios frios, gelados como a morte... o poeta pergunta ao sol quem ele é e o vento balança as tranças da amada. O poeta conhece as pedras das ruínas, a alma da jovem talvez seja condenada pela morte antecipada . Ele contempla o corpo ainda não sepultado, que até as árvores conhecem, e o poeta quase esquece o semblante  da amada.
E veio a noite, a mais escura das noites, e com ela a certeza de que agora, o poeta jamais veria a sua musa. Seu sonho acabou, seu sorriso se apagou. As horas passavam, corriam e ele arrastando o manto que a sua musa lhe prendera nos ombros, caminhava sem rumo silenciosamente...
O dia chegou, as rosas vermelhas estavam abertas e só restou aquela triste estrada, lembrança de coisas ruins que o poeta passara.
Ele agora sai das ruínas, acompanhado de saudade!

Kátia Susana  Perujo.

Baseado na poesia “RUÍNAS” de Machado de Assis.
Susy
Enviado por Susy em 20/08/2006
Código do texto: T221128
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Susy
Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil
143 textos (9119 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:30)
Susy