Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mercúrio a Plutão

Dum avesso, parei distante
Pensei vezes, matutei
Pensamentos em rotação contínua com a lua
Buscaram-me, persuadiram-me
Ó, quanta pureza!
Do broto ao rebrote, bebi do caldo
Sorvi fiéis codinomes infelizes, traduzi-os
Nem sequer os merecia, porém o sol se ausentara...
Debalde, fronte às incólumes veias de vitrine, parei inda mais
Tinha fome de nutrir a inanição, sede de ocasião
Confronto entre o sim e o não.

Láparo crescido no abrigo divino
São mesclas do manjar com o achar, o conjeturar
Nem avento mares sem fundo, talassofobia
Meus meios sem preços, vão do apreço ao feno
Breve ao pascigo de esmeril, ceifando e só
Deixe que deite a chuva!
Suas gotas deleitar-se-ão em fonemas aduncos
Mistérios renascerão em letras arfadas, desgovernadas
Não primarão por nossas extinções
Sábios que somos, limparemos nossas latrinas
Com marcas, carimbos e escolas.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 24/08/2006
Código do texto: T224221

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34086 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 14:05)
Cesar Poletto

Site do Escritor