Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

olho-me nos olhos do tempo...

olho-me nos olhos do tempo, vejo-o em cada ruga e penso:

como ele passou...
como se distancia a memória de tudo o que vivi...

inundo-me de melancolia e afogado em tristeza  sinto-me como se fosse um canto de saudade sobre o tumulo de orfeu...

não sei como resisti ao tormento da insónia e sobrevivi a noites imensas de combate às lembranças...

...lembranças que são como um tropel de faunos que nos esmaga o peito na mais terrivel desesperação...

são elas que guardam as nossas histórias, esse emaranhado de capítulos que fariam as delicias de qualquer trovador...

...de qualquer forma continuo amealhando factos vivendo entre sentinelas de espiritos que agitam o preconceito no  mundo de hipotéticas liberdades...

liberdades que se acham no rasto da história, depois de longos anos oprimidas pelo silêncio...

olho-me nos olhos do tempo cegando o passado com olhos do presente...

...até que o presente se olhe com olhos do futuro...
João Videira Santos
Enviado por João Videira Santos em 27/08/2006
Código do texto: T226444

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (João Videira Santos). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
João Videira Santos
Lisboa - Lisboa - Portugal
233 textos (16636 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 14:25)
João Videira Santos