Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

No Mais, Sobejar

Que descerrem os botões florais
A me aguardar à boca da pérola
Nigérrimos ursos habitarão as tocas.

Que me entornem poderoso astro de vinícola
A extrair-me o amargo das zombarias
Assumo superbíssimos riscos e acendo uma vela.

Que me enalteçam vãs e enclausuradas vias
Nelas, deitarei o corpo nas peraltices
Praticá-las-ei com pijama de poá amarelo.

Que me permitam singrar mares pelo avesso
A magia se encontra na vilania, no hipotético
Sou dura carne a rechaçar insultos.

Que iluminem a alvorada com brilhos sebáceos
Amputo membros macilentos que me corrigem
Nem de outras, vivem as mesmas caras.

Que me dêem linhas a me permitir doçuras
Azedas e tredas, até lebres ledas
Inda tenho uma alíquota do supro antídoto.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 28/08/2006
Código do texto: T227043

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34091 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:06)
Cesar Poletto

Site do Escritor