Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Tempo como Projétil

Parto ao meio o sono, e sinto
Quebro em lasca a idade, e vejo
Que fizera o tempo com nossa memória de algodão?
Por que maltratara nosso viço? Nossa temperatura?
Tento me fixar em seu semblante pueril, intensamente
Debalde!
Ele vem-me sorrindo com os dentes do inverno
Num frio de calçada, com folhas por cima
Não há!

Pureza inebriante me invade o sonho
Foste Paula a Ana
Já andastes Ana por Paula
Hoje, és névoa obliterada
São memórias!
Guardo-as enclausuradas em esquife de aroeira
Sem frestas ou dobradiças
Aposso-me dos peixinhos dourados sob modas alheias
Trago-os a este sonho, meu divã forjado
Minha reminiscência mais florida.

Que matara em ti o tempo?
Nada!
Nossos ventos não hão nos poros
Nossas idades se acolchoaram nas lembranças
Ó reminiscências!
Perífrases desfeitas a encurtar a vida
Tolhemos elos, compendiamos os alcatruzeiros
Puxa, quanto penar!
Só não o é em cortes profundos
Porque hoje, consigo sonhar.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 29/08/2006
Reeditado em 29/08/2006
Código do texto: T227777

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34093 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:11)
Cesar Poletto

Site do Escritor