Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Em horas cor de silêncios e angustias

"(Vim hoje aqui parar por obra dum destino oblíquo…)"

Álvaro de Campos

***

Nas horas em que o fim do dia traz cores de silêncios e angústias
esqueço-me neste cais, sem cais, desta Lisboa engalanada
e no segredo dum cigarro apagado
aqui fico horas incontáveis em mergulhos de pensamentos infindáveis
a pensar em nada.


Mergulho ao fundo do nada de águas cor de azeite revoltadas
no meu cais, sem Cais, de onde outrora partiram navios
que se fizeram aos Mares do Oriente e o Índico passaram
e para essa América fora e para os dias longínquos de África
na ânsia dos vis minérios mil Pacíficos navegaram…
Marinheiros desta terra se fizeram para essas vastas paragens
de recônditas paisagens
de inúmeras lendas e mistérios…
Ah! essas praias longínquas de tropicais sabores!
Este cais visto de longe e em pensamento tão perto,
este cais em tempos tão cheio de vida e hoje tão deserto
não é o cais de Álvaro de Campos com guindastes a chiar
com cheiro a óleo queimado e o suor dos sovacos dos estivadores.
Este cais não é o cais da Lisboa desses tempos dos marçanos…
(sim, porque hoje já não há marçanos nesta Lisboa enfatuada
por detrás dos balcões da moda onde flutuam mini-saias
que ao mínimo movimento para além do vertical
deixam ver a cuequinha rendada ou de calça justa e transparente
sob a qual já nem se adivinha sequer o minúsculo fio dental…).
Não é o cais da Lisboa dos pregões, nem dos marçanos, repito,
nem dos marçanos que subiam a rua de S. Domingos à Lapa, calcetada
carregando aos ombros o cabaz das compras da madame
que seguia à sua frente toda emproada.
Não é o cais dos letrados que em fins de dia aqui vinham inspirar-se
para além da leitura do jornal da tarde que hoje, quase, já nem há.
E quanto aos letrados, esses (coitados dos letrados…),
arrepia ver quando trocam em seus escritos, mal pontuados,
os “à” pelos “há”!).
Quase nem sabem ler
os letrados que de qualquer jeito estes governos fazem doutores
a trocar o “oxalá venhamos a ter” por “oxalá vaiamos ter”.

Não é o cais do queixume das gaivotas, que já é outro,
à espera da escolha da pescaria abundante que não houve,
não é o cais aventureiro e sedento das conquistas que já teve.
Oh! dolorosa instabilidade,
oh! perversa incompreensibilidade,
deste intemporal universo da noite à espera que se faça dia
neste meu cais, onde me sento, medito e descanso, de injustiças tão cansado!...

Alvaro Giesta
Enviado por Alvaro Giesta em 30/08/2006
Código do texto: T228851
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alvaro Giesta
Vale De Amoreira - Setúbal - Portugal, 66 anos
84 textos (2111 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:35)
Alvaro Giesta