Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESTAÇÃO DAS ÁGUAS


Depois de longa estiagem, a chuva. Precipitação atmosférica que traduz o ato e o efeito da pressa irrefletida, da paixão que flui, brota, derrama e origina a fonte fadada a se dispersar em caminhos com as margens ressecadas de vivências. As estações de seca em que nos cerram açudes e represam a intensidade de ser mar, vazar e alagar os anseios em fluxos constantes.

Antes as lágrimas que brotam como lembranças das tempestades e anunciam a umidade. Pranto que sucede os ventos que trazem as águas e deixa no corpo o lamento derretido da última geada. Rios que irrompem e inundam os brotos dos olhares salientes, famintos, desérticos, e transportam primevos grãos que encasulam nos tempos serenos e despertam vôos borboletas sobre o lago espelho dos vales ensolarados.

Depois das águas, o cheiro de chuva, as poças e os passos, o som reticente que cai nas gotas de um relógio, os respingos na janela, o parapeito cerrado de fantasias, a lembrança molhada a envolver o corpo, o horizonte suspenso em neblina, a saudade...

Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 05/09/2006
Código do texto: T233392
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 47 anos
614 textos (790209 leituras)
2 áudios (1258 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:14)
Helena Sut

Site do Escritor